Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

10% DA POPULAÇÃO MAIS RICA DO PLANETA É RESPONSÁVEL POR 50% DAS EMISSÕES DE GASES COM EFEITO DE ESTUFA

Mäyjo, 08.01.16

dinheiro_SAPO

As pessoas mais ricas do planeta são, por uma grande margem, os maiores contribuidores para as alterações climáticas, de acordo com o relatório Extreme Carbon Inequality (abre PDF), publicado pela Oxfam.

Segundo a confederação ligada à luta contra a pobreza, cerca de 10% da população mais rica do Planeta é responsável por 50% das emissões de gases com efeito de estufa. “A metade mais pobre da população mundial, cerca de 3,5 mil milhões de pessoas, é responsável por 10% do total de emissões atribuídas ao consumo individual. E vive nos países mais vulneráveis às alterações climáticas”, afirma o estudo.

O relatório continua: “Por outro lado, 50% destas emissões podem ser atribuídas ao 10% de pessoas mais ricas do mundo, que têm uma pegada carbónica 11 vezes maior que a metade pobre da população e 60 vezes maior que a franja os 10% maios pobres. E a pegada carbónica do 1% de população mais rica é 175 vezes maior que a da 10% mais pobre”.

O estudo avança ainda que, desde o falhanço da Cimeira do Clima de 2009, em Copenhaga, Dinamarca, o número de bilionários que tem interesses na indústria dos combustíveis fósseis subiu de 54 para 88 – e a sua fortuna de €188 mil milhões para €282 mil milhões.

Mas mesmo entre os mais ricos existem discrepâncias. Os ricos norte-americanos são responsáveis por mais emissões de carbono que os chineses. Mas é neste país asiático que está a chave do clima global. “Se a China e a Índia, especialmente estes dois países, não optarem por um caminho limpa para a prosperidade, então o mundo está realmente lixado (sic)”, conclui o Quartz.

Foto: epSos .de / Creative Commons

Oxfam: 1% da população detém quase metade da riqueza global

Mäyjo, 22.01.14
O instituto que procura soluções para a pobreza mundial conclui que quase metade da riqueza mundial se encontra concentrada em 1% da população no relatório que emitiu para o Fórum Económico Mundial, em Davos, que cita a desigualdade como a segunda maior ameaça à estabilidade da economia.

O grupo dos 1% mais ricos do mundo detém 110 biliões de dólares (81 biliões de euros) e controla mais de metade do património mundial, segundo o relatório elaborado pela Oxfam para o Fórum Económico Mundial, em Davos. 85 pessoas detêm uma riqueza igual à da metade mais baixa da população mundial.

 

A confederação internacional que procura soluções para a pobreza adverte que os actuais “níveis extremos de concentração de riqueza” ameaçam excluir centenas de milhões de pessoas das oportunidades de desenvolvimento, segundo o relatório elaborado para apresentar em Davos. O Fórum Económico Muncial cita as desigualdades como a segunda maior ameaça à estabilidade.

 

Se a riqueza detida pela metade da população mundial com menor acesso a recursos é igual à das 85 pessoas mais ricas, o grupo de 1% das pessoas com maior património detém o equivalente a 65 vezes a riqueza da metade mais pobre da população mundial, lê-se.

 

“Uma certa medida de desigualdade é essencial para induzir crescimento e o progresso, recompensando aqueles que têm talento, conquistam aptidões e a ambição para inovar assumir riscos produtivos”, enuncia o relatório. “Contudo, os níveis extremos de concentração de riqueza que ocorrem hoje ameaçam excluir centenas de milhões de pessoas de se apropriarem dos benefícios dos seus talentos e trabalho árduo”,conclui.

 

Nas últimas décadas, o mesmo grupo de 1% conseguiu aumentar a sua riqueza em 24 dos 26 países para os quais a Oxfam detém dados relativos ao período de 1980 a 2012. Os mais ricos também estão a sair de forma mais favorável da crise que ocorreu em 2008, sendo que 1% da população dos Estados Unidos da América captou 95% do crescimento gerado desde 2009.

 

 

in: Jornal de Negócios